+ THE BEST OF TEFAF NY SPRING

Segue mais uma seleção do melhor da TEFAF NY Spring 

Par de banquetas de Marc du Plantier

OP Art da artista Bridget Riley

Obra de Donald Judd

Poltrona Marc Newson na Carpenters Gallery

 Nesting tables suecas, 1932 design Nils Fougstedt. Galeria Modernity

Par de tocheiros de bronze, Armand Albert Rateau . DeLorenzo Gallery


Mesa-console de Nero Marchina, design Pierre Charpin. Galerie Kreo 


Robert Indiana.Galerie Gmurzynska

TEFAF NY SPRING 2017

MIND SET


A TEFAF ( The European Fine Arts Fair ) prima pela qualidade excepcional tanto em sua tradicional edição anual em Maastricht quanto nas duas edições em NY. A primeira delas em terras do tio Sam aconteceu em outubro do ano passado e agora durante a primeira semana de maio, dedicou sua edição de Primavera a arte moderna e contemporânea, incluindo mobiliário seculos XX e XXI, estes dois para mim quando bem dosados são o supra-sumo atual do super luxo. O bom mobiliário do século passado chega a cifras altíssimas, superando muitas vezes os valores de peças antigas européias do dix-huitième por exemplo. A feira, instalada no Armory Center em plena Park Avenue, atraiu a vizinhança local que não apenas coleciona o que é bom mas valoriza a qualidade. Já no primeiro dia de abertura para convidados especiais, o público selecionadíssimo imprime o tom da feira, muito diferente das outras mais comerciais ou ao menos não tão especiais. Chego as 11:00 horas em ponto e dou de cara com o lindo bonequinho Anderson Cooper escoltado pelo boyfriend. Mais alguns passos e capto a presença não tão discreta de Marc Jacobs interessadíssimo em mobiliário francês dos anos 30 e obras de artistas contemporâneos apresentados pela Galerie Perrotin entre outras. Valentino também foi conferir de perto a TEFAF NY Spring. A galeria Di Donna apresentou raras peças surrealistas como o telefone-lagosta de Salvador Dali criado em 1936 para o poeta inglês Edward James. Já a Benjamin & Gomide, primeira galeria brasileira a participar, levou poucas mas excelentes obras de Sergio Camargo, Myra Schendel, Aluisio Carvão e Lygia Clark. Seu score? 4 obras vendidas a partir de por U$ 90 mil a mais affordable. Entre uma apresentação e outra certo decorador local chega até mim e se apresenta para elogiar meu estilo e tal e dizer que ama o look da minha casa, já publicada na Elle Decor US. Bom para quem até então estava mais para observar os visitantes, passei para o lado dos observados. Rodman Primack , diretor da feira Design Miami, Mitchell Owens responsável pelo estilo da revista AD americana e o grande decorador francês Jacques Grange mostram-se atentos a cada peça e eu mais ainda e de olhos bem abertos para captar diversidades, curiosidades e novidades. Um conjunto de sofá e duas poltronas revestidos de pele de vaca azul claro acinzentado de Pierre Jeanneret me chama a atenção. No stand DeLorenzo, um dos maiores galeristas de NY dedicado ao Art Deco francês, fico de queixo caído por um grande cabinet de ébano com detalhes de bronze ( U$ 475 mil) de Eugene Printz, um dos designers da década de 40 que mais admiro. Uma poltrona de bronze de Armand Albert Rateau e um par de tocheiro criado nos anos 1920 para a família Guinle me faz lembrar o quanto o Brasil já foi chic e conectado com o que existia de melhor e mais exclusivo. Visitar a Tefaf em Maastricht ou em NY é obrigatório para quem tem o bolso cheio afinal ter não é ser. Cultura e informação são a maior riqueza que alguém pode adquirir e estas não sofrem oscilações, ao contrário só multiplicam. Os hollywoodianos Steve Martin, Susan Sarandon, Harrison Ford e Leonardo di Caprio puderam ver e ser vistos com tranquilidade sem o frenesi dos fãs, afinal ali todo mundo é alguém, ou pelo menos interpreta o personagem muito bem. Convido os brasileiros a fazerem um tour na próxima edição da TEFAF NY em outubro. Garanto que descobrirão um novo mundo para apreciar, investir e aprender tim tim por tim tim.Conhecimento vale ouro para mim ! www.tefaf.com


Bureau de nogueira e detalhes de madrepéprola, circa 1925, Émille-Jacques Ruhlmann considerado o imperador mór do Art Deco. Galeria DeLorenzo. U$ 475,000.00


Acima, cabinet de ébano do Gabão e detalhes de bronze, circa 1935, Eugene Printz. Galeria DeLorenzo. U$ 475,000.00

Abaixo 5 peças assinadíssimas revelam a tendência mais resistente do momento : WOOD WONDERLAND! A madeira castanho médio dá o tom.

Mesa escultural de Charlotte Perriand e Alexandre Noll. Magen H Gallery

Par de poltronas Jean Prouvé, 1948. Galeria Vintage 20

Cabinet Alexandre Noll, 1950. DeLorenzo


Par de cabinets suecos, design Carl Bergsten, 1924. Galeria Hostler Burrows


Banqueta numerada e assinada Jean-Michel Frank. Galeria L’Arc en Seine


O sofá Ours Polaire design Jean Royère 1950, que considero o “sentar” mais caro do mundo, foi vendido pela Falerie Laffanour 48 horas da abertura oficial da TEFAF. O cliente deve ter o derrière virado para a lua.

Luminária de parede, circa 1950, Serge Mouille. Galeria Laffanour-Downtown

Untitled, de Sergio Camargo, em torno de U$ 460,000.00. Galeria Bergamin & Gomide

Sofá e poltronas Pierre Jeanneret revestidos de pele azul claro acinzentado


Obra de Bridget Riley nome poderoso da Op Art inglesa

Superfície modulada, obra de Lygia Clark, 1956. Bergamin & Gomide

Zone Riflesse, obra de Paolo Scheggi, 1964. Tornabuoni Arte


Mesa de centro, Jean Royère, circa 1939. Galerie Lefebvre


Buffet Cisco produzido em bronze, design Ingrid Donat, 2015, Carpenters Gallery

Mitchell Owens, Marc Jacobs, Anderson Cooper, Valentino, Steve Martin, Rodman Primack, Jaques Grange, Harrison Ford, Susan Sarandon, Leonardo Di Caprio, Luisa Strina, Ricardi Akagawa, Ena Verdi Caldeira and Lord Rollo conferiram de perto a TEFAF  NY SPRING 2017

TEFAF MAASTRICHT 2017


CHIAROSCURO

Chamar a TEFAF de feira é quase uma heresia. A TEFAF que completou 30 anos nesta edição, está mais para uma exposição  com o que existe de mais apurado nas artes do que uma feira que pode passar a impressão de algo menos selecionado. Ali tudo é autêntico e o processo que valida cada ítem exposto é formado por um comitê altamente especializado. Pinturas, esculturas, mobiliários, objetos decorativos, alta joalheria, fotografias, gravuras e manuscritos podem datar desde séculos A.C. até hoje e a grande tendência daqui por diante é harmonizar os opostos. Estilos e épocas equidistantes podem resultar no que existe de mais fascinante e inédito na história já que a cada ano, dia , minuto estamos mais longe no início da vida na Terra. Esta diferença de tempo e espaço só cresce e jamais será igual ao ontem ou ao minuto anterior. Imaginem um busto ou urna da antiguidade clássica sobre um aparador ultra arrojado de tubos metálicos colorizados criado recentemente. O conceito pode até ser conhecido mas uma e outra peças específicas resultam numa composição inédita pelo simples fato de que um ítem poderia nao estar a venda anteriormente e o outro ainda não ter sido criado. Esta é a maior diferença do decor/design/ arte para a moda. É raríssimo alguém usar uma túnica do século II D. C. com uma bolsa ou sapatos criados hoje. Pode-se até usar uma jóia antiquíssima com um traje novo mas a relação de tempo entre uma e outra é sempre menor do que a distância entre aquilo que se pode usar em casa. Montei este video com peças das mais variadas épocas e estilos que simbolizam os opostos através do Chiaro e Scuro. Se é chiaro, é como o branco que reúne tudo. Já o scuro representa a sombra de algo do passado que ainda não foi resgatado. Não importa se é turvo ou prata, se é novo ou old. O que vale é selecionar o que é belo como se valesse ouro!  www.tefaf.com

Mount Nelson Hotel Cape Town

img_7390-1

Quando me perguntam o que sou, o que faço ou como me defino cheguei a conclusão que além de arquiteto/decorador/designer/ formador de opinião etc e tal sou também um hotel explorer. Amo experenciar o que tem de melhor em hotéis que escolho a dedo e sim recuso convites quando algo não me agrada ou não aprovo totalmente. Aqui em Cape Town estou “explorando” e experenciando alguns hotéis e ghest houses. O Mount Nelson Hotel  também é chamado pelos locais de Pink Lady é o mais tradicional. Esta imensa propriedade foi transformada em hotel em 1899 e hoje conta com quase 200 quartos tanto no prédio principal como nos anexos, villas ou cottages espalhadas no imenso jardim. A cor pink so foi usada nas fachadas logo após a Primeira Guerra. A idéia foi alegrar os animos e varrer os ares cinzentos dos anos bélicos. Pronto! Foi assim que o Mount Nelson ficou ainda mais conhecido e lançou a moda da arquitetura rosa que tanto inspirou hotéis de veraneio na Europa. A única coisa ruim de ficar lá é que não dá vontade de sair. É ideal para quem realmente curte aproveitar ao máximo tudo que um grande hotel oferece: chá da tarde com piano ao vivo, piscinas incluindo uma aberta mas aquecida, jardins deslumbrantes e perfumados, quadras de tenis, spa fenomenal, bares e terraços para beber, ler e se entreter! Super Approved by Lord Rollo !

img_7377

img_7210-1

img_7157-1

img_7389-1

img_7162-1

img_7339

img_7301-1

img_7171-2 img_7177-2    img_7371-1   img_7390-1

 

Singita Ebony Lodges

img_6462

Welcome to Singita Ebony Lodges. O vôo entre o Singita Lebombo ( localizado no Kruger Park) e o Singita Ebony ( localizado ma reserva Sabi Sandi ) ambos na Africa do Sul,  dura apenas 25 minutos e a paisagem muda radicalmente. Enquanto o primeiro tem vegetação mais esparsa  e é indicado mais para  expiar o reino dos leões, o segundo tem mais arbustos e muitas árvores ideais para os leopardos. O Ebony criado há mais de 23 anos, é um dos primeiros lodges do Singita e foi todinho construído mesclando o estulo inglês colonial ao gosto tribal local. Minha villa aqui é a de número cinco e inclui escritório, dormitorio, banheiro com ducha interna e externa, dressing room, lounge externo e piscina com vista de babar. Pense em peles de zebra, tecidos com padronagens de leopardo, club chairs de couro, banheira antiga esmaltada, cortinas de lona khaki, cama de madeira ebanizada com dossel branquinho e lençóis de linho puro tudo isso coberto por estrutura alta de madeira forrada de espessa camada de capim da savana. É tudo tão bacana que não dá vontade de sair da cama. Aí o sinal de despertar soa as 5:00 da matina e indica que é hora de zarpar para mais um safari. Ah, como me explicou uma grande amiga embaixatriz que morou anos no Kenya, safari em swahili significa viajar. Entao acabo de descobrir que minha vida foi feita para safariar ! Vejam as fotos abaixo desta nova aventura que acaba de começar!

img_6355

 

img_6957 img_6958 img_6959 img_6960 img_6961 img_6962